Print Friendly, PDF & Email

O que fazer em casos de acidentes de trânsito nos EUA?

Compartilhamos aqui algumas sugestões de como agir em casos de acidentes automotivos, lembrando que você deve valer-se de bom senso e sempre buscar ajuda imediata pelo 911:

Passo 1 – Verifique se todos estão bem

Antes de mais nada certifique-se de que você está bem. Procure não fazer movimentos bruscos imediatamente. Movimentos bruscos ou tentativas de locomoção podem agravar lesões de pescoço e coluna vertebral. Tendo confirmado que você está bem, verifique o estado de saúde dos passageiros. Caso haja algum ferido, ligue imediatamente para o 911 para pedir ajuda.

Passo 2 – Se possível, mova o carro para uma área segura

Se o carro estiver em um local perigoso (e.g.: meio de uma rodovia) e ainda puder ser conduzido, você poderá, com todo cuidado possível, tentar movê-lo para o acostamento. Deixar o carro em um local perigoso poderá resultar em novos acidentes. Se você estiver bem, e puder fazer isso em segurança, posicione o triângulo de emergência atrás do seu carro de forma a alertar outros motoristas.

Passo 3 – Chame o 911

Se ainda não tiver feito isso, chame o 911 mesmo que não haja vítimas com ferimentos. O serviço do 911 enviará o socorro necessário, seja um bombeiro, ambulância ou policial, para ajudar com a situação e orientá-lo quanto ao que fazer.

Passo 5 – Aguarde ajuda

Apenas em casos de pequenos acidentes, nos quais ambas as partes estejam perfeitamente bem, é razoável deixar o local do acidente sem envolvimento das autoridades. Na maioria dos casos, assim como em caso de dúvida, a melhor opção é aguardar ajuda. Sair do acidente deixando a outra parte sozinha pode significar que as autoridades ouvirão apenas o lado do outro motorista.

Passo 6 – Troque informações com o outro motorista

Estando ambas as partes em boa condição de saúde, você deverá trocar informações com o outro motorista como carteira de habilitação, dados do veículo, de seguro assim como telefones e endereços. Você não precisa admitir ter tido culpa no acidente, mesmo que acredite ter sido esse o caso. Muitas vezes, no calor da emoção, não temos condições de avaliar objetivamente o que aconteceu. A sua responsabilidade, no momento do acidente, é apenas chamar por socorro e prover informações básicas descritas acima.

Passo 7 – Documente o acidente

Estando apto a fazê-lo, procure documentar o acidente com fotos dos veículos, dos estragos causados pelo impacto, do local onde o acidente ocorreu, faróis, se houver, e qualquer outro elemento que possa auxiliar as autoridades ou seu advogado a entenderem como o acidente aconteceu e de quem foi a culpa.

Se houver testemunhas oculares (que viram o acidente), anote o nome e telefone delas. Não tenha vergonha de pedir. Testemunhas que possam confirmar o seu testemunho são extremamente importantes. Lembre-se de que você pode usar o seu celular para fazer anotações ou até mesmo fazer gravações de voz para reter essas informações. Casos bem documentados tem chances muito maiores de serem bem sucedidos.

Passo 8 – Busque orientação de um advogado

Representantes de empresas de seguros buscam passar uma “imagem amiga” e que estão interessadas em ajudar as partes envolvidas no acidente. Porém, infelizmente, tais representantes (os “insurance adjusters”) tem como uma de suas missões fazer com que seus empregadores, as empresas de seguros, desembolsem o menos possível de dinheiro com indenizações. Por isso, contratar um advogado especialista em indenizações faz sentido em boa parte dos casos. Em grande parte das vezes, mesmo que o seu advogado acabe sendo compensado por uma porcentagem da indenização, a parte que lhe couber após o pagamento do advogado ainda será maior do que aquilo que você obteria ao tentar fazer um acordo sozinha com a seguradora.

Aviso: este texto reflete as leis existentes no momento de sua publicação, não deve ser interpretado como qualquer tipo de recomendação e tem o propósito exclusivo de fornecer informações gerais. Para tomada de decisões, você deve buscar a contratação de um advogado para análise específica do seu caso. Você não deve tomar decisões baseadas em informações de caráter informacional na internet sem antes se consultar com um advogado.